Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário Medicina Preventiva

Uma intensa viagem pelo dia-a-dia de uma estudante de Medicina e, além disso, algumas indicações sobre a importância da prevenção para preservarmos a nossa saúde.

Diário Medicina Preventiva

Uma intensa viagem pelo dia-a-dia de uma estudante de Medicina e, além disso, algumas indicações sobre a importância da prevenção para preservarmos a nossa saúde.

11.Ago.07

O CORPO HUMANO - COMO NUNCA O VIU (EXPOSIÇÃO)

Apaixonante! Este seria, certamente, o adjectivo que eu escolheria para (tentar) decrever a exposição "O Corpo Humano - Como nunca o viu".

Para quem a possa encarar como uma lição anatómica, demasiado aprofundada para estar acessível ao comum dos mortais... desengane-se.

A exposição alarga-nos os horizontes de uma forma verdadeiramente deslumbrante. Leva-nos muito além daquela concepção do senso comum que valoriza a alma em detrimento do corpo e sobretudo afasta para terras longínquas a ideia de que um corpo inanimado, não é mais do que isso. Cada um daqueles corpos exalavam o odor da vida, em todo o seu esplendor e no auge da sua actividade.

Extraordinário é também o laço obrigatório e natural que nos une a esta exposição. Quando visitamos um museu histórico (não menos interessante) podemos desenvolver um íntimo interessa pela variedade de peças, relíquias, acessórios expostos, o que é certo é que eles pertencem a um determinado contexto temporal e espacial, que não o nosso. Pelo que o único elo de ligação entre nós e a exposição é o interesse que ela nos desperta. Nesta exposição, porém, o elo de ligação é muito mais íntima, chegando a um ponto visceral. Há uma identificação extrema entre nós - observadores da exposição - e os objectos da nossa própria observação (que poderíamos ser nós mesmos). O nosso corpo exposto, como nunca o vimos. O nosso corpo. Essa magnífica obra de arte, que por um lado nos assegura a diferença, desde a expressão do rosto, à altura, ao tamanho dos órgãos e ao estado dos mesmos, e que por outro nos torna todos iguais, assegurando um ténue fio comum a todos os visitantes - nós mesmos e o nosso corpo.

Em termos mais pragmáticos, a exposição está bem organizada e direccionada, já que nos permite ver tudo, de forma faseada... começando no sistema esquelético, depois o muscular e depois os vários sistemas de órgãos. Curiosidades interessantes ao longo de toda a exposição e muita informação acessível mesmos aos leigos.

Verdadeiramente deslumbrante esta oportunidade imperdível de explorar o nosso próprio mudo interno, o nosso próprio corpo!

4 comentários

Comentar post